quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Errar é Humano; Persistir nos Erros, Não!

Tenho observado muitas pessoas andando de cabeça baixa e ombros caídos, com semblantes cansados e preocupados, em busca de uma luz no final do túnel... Percebo que boa parte delas carrega nos ombros o fardo dos erros cometidos e se culpam, lamentam, se condenam e se torturam...
Sabemos que errar faz parte e, particularmente, penso que na maioria das vezes os erros são tentativas de acertos, mas há diferentes formas de se lidar com eles.
Há uma grande diferença entre reconhecer um erro e conformar-se com ele!

domingo, 25 de setembro de 2011

Mentira ou Verdade?

A mentira não é a ausência da verdade... E a maior verdade existente na mentira é aquela que desnuda a face e a consciência de quem mente.
Mentira é uma manipulação arbitrária e egoística, onde histórias são recriadas para beneficiar uma única pessoa: o mentiroso.
De modo simples pensamos que não existem razões para mentir e que a verdade sempre será capaz de corrigir erros, desfazer enganos e preservar os princípios... Mas onde ficam os princípios quando as pessoas mentem por quaisquer razões ou até mesmo para protegerem-se de si mesmas?

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Onze de Setembro

Onze de Setembro, há 10 anos, nunca mais foi o mesmo! E, na verdade, se considerarmos que nenhum dia é igual ao outro, desde sempre, onze de Setembro nunca foi o mesmo...
Para o mundo esse é um dia de relembrar uma tragédia, mas, para mim, é mais um daqueles dias especiais, de celebrações e agradecimentos... O mundo chora pelas perdas e eu o comemoro pelo nascimento, amor e vida!
Enquanto muitos ainda tentam vasculhar escombros e remexer em memórias dolorosas, eu agradeço pelo processo da vida: nascimento e morte, pois é assim que ela se constitui. Estamos longe de compreender a morte e acho que enquanto buscamos explicações para as perdas, deveríamos agradecer por tudo o que temos intacto... E esse é um caminho imenso que se desponta diante de nossos olhos, diariamente.

domingo, 4 de setembro de 2011

Nada Dura Para Sempre

Pra quê querer que as coisas durem para sempre se nós mesmos não duramos? Vinicius de Moraes, quase como numa prece, falou do amor eternizado no coração e nas lembranças em seu Soneto de Fidelidade. Quem não conhece a célebre frase: “... que seja infinito enquanto dure.”? Pois bem, eternizamos enquanto existimos, enquanto lembramos, enquanto temos o carinho de manter conosco tudo aquilo que nos fez e faz bem! Também é verdadeiro que muitos carregam para sempre dentro de si o que não fez bem e se encarregam de manter vivo na lembrança o sofrimento e, assim, padecem lentamente...
Se não temos a poção da imortalidade, por que não manter no coração as boas lembranças, fazendo com que cada minuto da existência seja motivo de celebração e agradecimento?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Plágio é Crime! Proibida a Cópia do Conteúdo desse Blog!!!