domingo, 13 de novembro de 2011

Encontros, Desencontros e Reencontro…

Por mais que estejamos certos de quem somos, há vezes em que nos perdemos totalmente e saímos em busca de nossa própria identidade.
É certo que estamos sempre renovando através do aprendizado, mas há também vezes em que retrocedemos e tornamos ainda mais longo o caminho trilhado. Por mais que saibamos quem e como devemos ser, perdemos o rumo...
Encontros e desencontros fazem parte da vida e, talvez, os maiores desvios desse percurso sejam aqueles que nos fazem distanciar de nós mesmos. Muitas vezes sabemos que determinado rumo nos levará a lugares já visitados (e não apreciados por nós), mas mesmo assim insistimos, através da teimosia, em olhá-los novamente. Não é a vida que nos testa, somos nós que nos desafiamos constantemente pela teimosia. Não queremos provar nada a
ninguém, mas a nós mesmos que podemos transpor barreiras ou enveredarmos em lugares e sairmos sem quaisquer ferimentos. E aí, quando nos vemos machucados novamente, nos esbarramos nos arrependimentos... Eu mesma já cheguei até a culpar Deus! Como Ele, em sua suprema sabedoria permitiu que eu cometesse os mesmos erros? Sempre vem aquela voz interior e grita na minha consciência, lembrando-me do tal do livre arbítrio! Ah, bendito (ou maldito, já nem sei mais), tinha que ser você!
Estamos sempre buscando culpados e justificativas para nossos erros, mas esquecemos da principal busca, aquela inicial, que poderia nos dar muitas respostas: a de nós mesmos! Não acredito que nascemos apenas para sofrer e errar. De jeito nenhum! Tem que haver um meio termo, um equilíbrio entre o cair e levantar, errar e aprender, viver e sobreviver...
Enquanto não soubermos de fato quem somos, sairemos nessa expedição cega, cometendo todos os erros possíveis, ferindo nossa pele e alma, esgotando energias que poderiam ser melhores utilizadas.
É preciso parar! É preciso lutar contra nós mesmos, desafiando a própria teimosia, mesmo sendo teimosos com ela, buscando o tal equilíbrio e renovando as forças! É preciso alimentar o espírito de sabedoria, nutrir a alma de força de vontade e reencontrar a pessoa perdida.
Às vezes ela grita por socorro, mas não espera que ninguém mais a escute, exceto nós mesmos!
Jackie Freitas
“A sabedoria não nos é dada. É preciso descobri-la por nós mesmos, depois de uma viagem que ninguém nos pode poupar ou fazer por nós.”
*Imagens retiradas do Google Imagens

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Plágio é Crime! Proibida a Cópia do Conteúdo desse Blog!!!