segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Liberdade… Liberdade!

Com o passar do tempo, aprendemos a simplificar as coisas. O que antigamente nos consumia eternos e, em alguns casos, torturantes momentos de dúvidas, se torna equações simples que nos faz ver que perdemos tempo demais acumulando inutilidades que nada nos acrescentam. Aprendemos a nos desfazer dos pesos, afinal queremos apenas leveza e qualidade para a vida e, por isso também, nos tornamos mais seletivos...
Conforme o tempo passa, confirmamos a rapidez e brevidade da vida e nos perguntamos se realmente vivemos da forma que queríamos...
Alguns conceitos, antes complexos, se transformam em chaves que abrem portas e nos mostram belezas inexploradas, desvendam mistérios e nos libertam... Aliás, liberdade passa a ter outra conotação. Quando jovens, a olhamos como uma porteira a ser aberta para que corramos pelos campos da vida, desnorteadamente em busca de um tudo, que no final se torna nada...

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

As Boas Razões...

Tem uma citação de H. Jackson Brown, Jr que gosto muito e que, atualmente, me representa muito bem:
Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém... Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim... E ter paciência para que a vida faça o resto...".
Creio que passamos boa parte do tempo, entre as muitas de nossas buscas, lutando por algum tipo de aceitação. Diria que, em alguns casos, exigindo reconhecimento e notoriedade. Vivemos escravizados pelas impressões que causamos e as que queremos causar aos outros, dando demasiada importância para as opiniões alheias quanto ao nosso comportamento e jeito de ser. E, vamos combinar; como é cansativo querermos manter uma imagem que não é a nossa somente para agradarmos aos outros!
Sabemos que as pessoas são diferentes umas das outras, mas, ainda assim, insistimos na concepção de um padrão das coisas e comportamentos certos, como se todos devessem agir da mesma forma para que sejam rotulados e queridos.

domingo, 25 de agosto de 2013

Dançando com o Tempo

As horas passam e eu fico pensando no tempo. Não sei se o perco por não aproveitá-lo melhor ou se, por querer aproveitá-lo, saboreando cada minuto, o deixo passar em vão.
Tento construir ideias, fazer planos e acabo me entregando ao destino. Claro que não renego as minhas responsabilidades e, tampouco cruzo os braços esperando que as coisas simplesmente aconteçam, mas chega um momento da vida em que deixamos de ter tanta pressa e preferimos apenas apreciar a paisagem e ver o que acontece.
Quando nos falam sobre o tempo, principalmente quando somos jovens, não damos importância porque acreditamos que ele seja infinito... Vinícius de Moraes disse em seu inesquecível Soneto de Fidelidade: “que seja infinito enquanto dure...” referindo-se ao amor, mas que pode ser aplicado em nossas vidas como forma de reconhecimento de que os momentos serão sempre passageiros, sobretudo se não compreendermos que todo o segredo está na intensidade com que os vivemos. E, de certa forma, é isso o que tenho tentado fazer; acolher os momentos, vivendo-os com intensidade, sem medos ou culpas!

domingo, 28 de julho de 2013

Vivendo Entre o Sonho e a Realidade

Tenho travado muitas batalhas e, sinceramente, não sei se luto em prol de alguma guerra, senão uma própria, pessoal e que diz respeito unicamente a mim. Tenho tentado mudar ou, pelo menos, partir de um ponto, meticulosamente reavaliado, a fim de concluir coisas que venho me negando a aceitar... Se eu disser que obtive alguma resposta, estarei mentindo; mas, se disser também que não consegui compreender nada, minto igualmente.
O fato é que quanto mais persisto nessa cruzada, mais distante fico dos meus sonhos, mas isso, com o passar do tempo, torna-se constatação de que a realidade está distante de qualquer sonho. Questiono os sonhos... Eles existem, mas às vezes é apenas um lugar seguro onde nos escondemos para atenuar a dor da vida que temos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Plágio é Crime! Proibida a Cópia do Conteúdo desse Blog!!!