terça-feira, 8 de março de 2011

Solidão Terapêutica

Dizem que a solidão é a doença do nosso século! Por medo, insegurança e atribulações do dia-a-dia, as pessoas se escondem umas das outras, se trancam em suas fortalezas, constroem muros cada vez mais altos em nome da segurança emocional e física e, assim, se isolam do mundo. Aos poucos padecem pela falta de carinho e afeto, e acabam transformando chances de autoconhecimento, em reclusão e exclusão inconscientes. Não seria possível converter e usar a solidão, positivamente, para a cura de outras doenças que afligem à alma?
Ao contrário do que se imagina, solidão é uma forma de nos reconectar com nosso eu mais profundo, de encontrar respostas para a própria existência e, quem sabe, tratar de feridas profundas... Não se pode pensar na solidão como abandono daqueles que nos cercam, ou seja, nem sempre são as pessoas que nos abandonam, mas nós que contribuímos para que elas se afastem. Acredito que a maior manifestação da solidão (e a mais dolorosa) é quando nos abandonamos e deixamos de enxergar a própria existência.
Solidão é uma reflexão da liberdade que temos e, talvez, até uma consequência dela quando manifestada exacerbadamente. Buscamos tanto a liberdade que, quando a temos, não sabemos como usá-la e conciliá-la no convívio com as outras pessoas, sem que isso implique na anulação de nossos direitos...
Entretanto, através da solidão podemos fazer uma auto-análise do quanto temos evoluído em nosso crescimento ou nos cercado pelos muros intransponíveis da intolerância e egoísmo. Como dizem; não se consegue fazer uma omelete sem quebrar os ovos, então para que possamos fazer essa introspecção, temos antes que nos isolar de tudo para que a nossa própria voz ecoe e seja escutada por nós. Estar só neste momento, contudo, não significa encontrar-se abandonado ou ter que abandonar às outras pessoas! Isso ocorrerá se não tivermos a dosagem do recuo, a medida equilibrada do recolhimento para ajustes sem ocasionar um isolamento completo.
Eu acho que todos nós temos um mestre interior... E em alguns momentos ele nos pede um pouco de silêncio, reflexão e paz espiritual. Longe dos ruídos, das intrigas e discórdias; um momento conciliador entre nós e a nossa paz! Li outro dia que os mestres Zen, buscavam no isolamento, junto aos seus discípulos, não apenas uma meditação e reflexão simples sobre a vida; mas, ao contrário, uma forma para que desaprendessem de tudo que sabiam sobre ela e, dessa forma, se libertassem de todos os conceitos (e pré-conceitos), deixando suas mentes lúcidas e receptivas para tudo que os cercava. E vamos admitir? Nada como um olhar despretensioso acerca da vida, de nós e dos outros...
Portanto, nosso mestre interior nos pede ocasionalmente o mesmo: que esvaziemos nossas mentes, que liberemos espaço em nosso coração e reaprendamos a olhar para nós e nossa existência com mais atenção e carinho, com menos cobranças e punições. E só teremos êxito se nos propusermos a experimentar de uma solidão “curativa” e não aniquiladora. Uma solidão que nos aproxima do nosso eu, mas não nos afasta daqueles que nos cercam.
Os muros estão ficando cada vez maiores e o isolamento também, então, de vez em quando é interessante se refugiar na fortaleza, mas importante que se saiba a saída para buscar as pontes que nos ligam e aproximam às outras vidas!
A solidão pode curar muitas doenças e, acredite boa parte delas mora dentro de nós! Muitas vezes esperamos que os outros nos dêem todas as respostas e o carinho necessário para que nos sintamos mais fortes e seguros, porém, o maior carinho de todos, aquele capaz de curar nossas próprias doenças e aflições, está perdido dentro do nosso ser. E é através de uma solidão libertadora (não isoladora) que curamos a maioria delas!
Jackie Freitas
“A verdadeira liberdade é um ato puramente interior, como a verdadeira solidão: devemos aprender a sentir-nos livres até num cárcere, e a estar sozinhos até no meio da multidão.”
*Imagens retiradas do Google Imagens

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Plágio é Crime! Proibida a Cópia do Conteúdo desse Blog!!!