sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Com Licença, Posso Ser Feliz?

Quantas vezes você já teve vontade de fazer esta pergunta?
É tão comum ouvirmos as pessoas reclamando da vida, chorando suas dores e lamentando os seus sofrimentos que, em certos momentos, não nos parece justo manifestar nossas alegrias e realizações. É como se tivéssemos que pedir autorização até mesmo para esboçar um sorriso!
Vemos tanto caos e desgraças ao nosso redor que acabamos nos recolhendo e escondendo o nosso bem estar para que o mesmo não represente um desrespeito aos outros, às suas dores, tristezas, frustrações, irrealizações...
Será mesmo que é preciso ter o aval dos outros para poder desfrutar da felicidade?
Sabemos que a felicidade é efêmera e há, inclusive, diferentes  modos de compreendê-la. Você já deve ter escutado dizerem que ser feliz é diferente de estar feliz. Eu mesma divago sobre isso constantemente, mas não posso deixar de ver a relação íntima que existe nessas duas situações. O estar feliz, onde o próprio verbo indica, reflete um estado ou momento e nos comprova toda a efemeridade da felicidade; entretanto, não consigo deixar de ver o quanto isso interfere na condição do ser. Ser feliz, talvez, seja uma somatória ou acúmulo de todo o nosso estado; portanto, quanto mais felizes estivermos e quanto mais tempo pudermos desfrutar da felicidade, reconhecendo-a nos momentos em que aparecem, mais seremos capazes de irradiá-la em nosso ser. Por isso é fundamental que não tenhamos medo ou vergonha em demonstrar aos outros o quanto estamos ou somos felizes! Represar esse sentimento e não manifestá-lo significa concordar que a vida é feita apenas de dores e sofrimentos, que nossa missão é unicamente a de sermos mártires existenciais.
Felicidade é a colheita dos bons tempos e um merecimento, mas, acima de tudo, um reconhecimento que exige de nós toda a atenção necessária para que ela não passe despercebida. Se não notarmos esses momentos preciosos e não usufruí-los, deixamos de somá-los na condição do nosso ser.
Viva intensamente cada momento e comemore com entusiasmo todas as oportunidades de ser feliz. Não é preciso pedir licença, perdão ou permissão aos outros para ser feliz. Quando você escutar alguém dizer que a felicidade não existe, busque dentro de si, através de lembranças, e mostre que ela é possível, sim! Lembre das vezes em que sorriu despretensiosamente, em que riu sem ter escutado uma piada ou até mesmo quando escutou e não achou graça alguma, mas ainda assim riu alto. Faça uma varredura em sua memória e traga à tona todos os momentos em que esteve bem, mesmo quando os problemas pareciam barreiras intransponíveis.
A felicidade é uma de nossas maiores buscas e, talvez, nossa própria existência esteja baseada nela, então aceite o fato de que se somos capazes de chorar, também somos capazes de sorrir... Há sempre o reverso da moeda, mas a questão é qual o lado dela você prefere mostrar? Gandhi sabiamente escreveu que não existe um caminho para a felicidade, pois ela é o próprio caminho...
A vida é difícil, sabemos disso, mas ninguém pode viver eternamente condicionado ao sofrimento para justificar sua existência. Se o sofrimento traz aprendizado, a felicidade é o honorário que nos contempla com méritos e louvores. É o momento em que paramos para apreciar nossas conquistas, que nos permitimos uma trégua e nos refazemos para as próximas etapas da vida.
Você pode achar que a sua felicidade ou infelicidade dependem das outras pessoas, mas eu te digo que não! Tanto uma quanto a outra dependem apenas de sua aceitação. Se você aceitar a infelicidade como a sua principal condição de vida, ninguém será capaz de provar-lhe o contrário! Agora, se aceitar que a felicidade pode estar nas pequenas coisas e em momentos simples, você apura a sua visão e passa a enxergá-la independente dos outros!
Não tenha medo de ser feliz! Mesmo os que estão sofrendo precisam manter a fé e você, não negando e nem escondendo a sua felicidade, pode inspirá-los e ajudá-los. Portanto, quando pensar em pedir licença para ser feliz, reflita bem se estará pedindo para a pessoa certa... Talvez este pedido deva ser feito a você mesmo!
Jackie Freitas
“Na plenitude da felicidade, cada dia é uma vida inteira.”
*Imagens retiradas do Google Imagens

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Plágio é Crime! Proibida a Cópia do Conteúdo desse Blog!!!