segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Vida que Segue...

Sempre que ouvia ou dizia essa frase, sentia certo conforto por acreditar que independente das circunstancias, a vida segue. Parecia uma forma confortável de aceitar passivamente as resoluções da vida, como se não tivéssemos muitas escolhas para mudar, restando como opção a aceitação. Mais ou menos como dizer: “é o que tem para hoje!”.
Há muitas escolhas na vida... Estamos cercados de escolhas e as fazemos o tempo inteiro. Essa é uma das prerrogativas que temos do momento que nascemos até nossa morte. Entretanto, dentro de tantas escolhas a fazermos, duas delas são as mais importantes e que norteiam todo o resto: viver ou sobreviver...
Pode parecer redundante falar da vida dentro do seu próprio contexto, mas o fato é que viver é a mais importante e difícil de todas as escolhas. Na grande maioria das vezes, sem que percebamos ou temos consciência, apenas sobrevivemos... Fazemos essa escolha e reagimos automaticamente às diversas situações, como se ativássemos um piloto-automático que comanda nossos passos e direção. Deixamos de nos importar com as nossas vontades e de lutar pela realização dos nossos sonhos! Apenas prosseguimos, vivendo um dia após o outro, sem grandes perspectivas ou preocupação com o futuro. É como seguir uma viagem sem olhar pela janela, dormindo e aguardando a chegada ao destino, mesmo que não saibamos qual seja ele. O importante é apenas chegar a algum lugar. Vida que segue...

domingo, 24 de dezembro de 2017

Anjos Nossos de Todos os Dias...

Quem me acompanha sabe o quanto me desagrada passar por essa época do ano e por esse processo cansativo que, a meu ver, é apenas um ritual hipócrita, desprovido, em sua maioria, de qualquer sentimento que não seja apenas o de apaziguamento da consciência. Espécie de “cumprimento ao dever”...
De um modo ou outro acabamos forçados a participar desse cenário, então, como contribuição a todo esse clima “mágico” que toma conta de todos, gostaria de expressar meu humilde pensamento sobre a verdadeira conduta que deveria representar o tal espírito natalino.
Gosto muito desse pensamento: “Deus coloca anjos em nossa vida em forma de amigos...”. E é sobre essas pessoas especiais que gostaria de escrever.
Sempre pensei na individualidade como forma de fortalecimento e, sobretudo, como aprendizado. Muitas vezes somos nós que criamos nossas oportunidades e, também, as desperdiçamos. Qualquer decisão que tomamos ou o modo como agimos ao longo da vida, refletirá diretamente sobre nós mesmos e suas consequências serão sentidas a curto, médio ou longo prazo. Não existem responsáveis ou culpados, senão nós mesmos...
Seguindo essa linha de pensamento, acabamos carregando um pesado fardo, acreditando com veemência nas penalidades e atribuindo todos os castigos recebidos como obra de Deus. E essa forma de pensar é uma das consequências do individualismo! Aprendemos a lutar e até mesmo a sofrer sozinhos, e quando perdemos a crença naquilo que deveríamos chamar de vida, Deus se manifesta com a mesma veemência e nos apresenta os seus anjos...

domingo, 24 de setembro de 2017

Deixe ir...

Era uma vez uma menina que via o mundo com docilidade. Acreditava nas
pessoas e desejava a felicidade de todos os seres. Certo dia encontrou um pequeno e frágil pássaro e resolveu levá-lo pra casa. Comprou uma linda gaiola e o colocou lá. Todos os dias admirava a beleza do pássaro, alimentava-o com carinho e ficava esperando que, em troca de sua generosidade, ele cantasse para ela.
Passaram-se dias e mais dias e o pássaro nada. Sem canto ou encanto, passava seus dias olhando para o horizonte através das grades da bela gaiola. A menina, que acreditava em seu gesto benevolente, ficou também triste por vê-lo tão distante do carinho e amor que ela proporcionava. E então, impetuosamente, decidiu libertá-lo. Abriu a gaiola, o segurou entre as mãos, deu um carinhoso beijo e o deixou voar em rumo ao seu destino... Nunca vira asas baterem tão fortes e um voo tão rápido. Mas, ficou feliz por saber que tinha feito a escolha certa, sobretudo pra si mesma.”.
Algumas vezes na vida precisamos tomar decisões semelhantes. Agimos, também, com a certeza de que o simples bem querer é suficiente para proporcionar felicidade a alguém. Esquecemos, entretanto, que nem sempre o nosso “querer” é o mesmo dos outros. Acabamos nos aprisionando nas melhores intenções e propostas, mantendo um relacionamento que não evolui e nem proporciona nada além de sofrimentos. Acreditamos, ingenuamente, que o tempo cuidará tanto do amadurecimento quanto da “cura” da relação, e no decorrer desse tempo percebemos que nada mais fazemos do que prolongar uma decisão que deveria ser tomada nos primeiros sintomas de desconforto ou infelicidade: deixar ir!

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Até Logo...

Ao meu amigo Marcelo Parrillo

Faz muito tempo que não conversamos. A última vez que nos vimos trocamos rapidamente um olhar com a promessa de que nos veríamos de novo e que tudo ficaria bem novamente. Mas não nos vimos mais... Não nos falamos e nada ficou bem...
Hoje penso que deveria ter voltado naquele dia. Voltado atrás e superado minha teimosia, birra e ranhetice; sentado e conversado ou, pelo menos, perguntado como você estava. Deveria ter agido da forma correta com que os amigos agem uns com os outros... Mas não fiz e simplesmente fui embora...
Hoje, quem partiu foi você! E desta vez não terei a chance de reencontrá-lo com aquele sorriso no olhar. Nem sequer terei a chance de pedir perdão por não ter sido a amiga que você precisava e esperava que eu fosse. Hoje você partiu e tudo o que ficou foram as lembranças das muitas gargalhadas que demos juntos. Ficou a dor de não ter te dito que enquanto humanos erramos de todas as formas, mas que nenhum erro deve superar a aliança da amizade. Sinto-me fracassada por ter desperdiçado essa oportunidade...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Plágio é Crime! Proibida a Cópia do Conteúdo desse Blog!!!