sexta-feira, 8 de abril de 2016

Reconstruir-se

O processo de reconstrução não é fácil. Primeiro, porque admitir a necessidade de se reconstruir é ter que aceitar a derrota e o fracasso de projetos mal sucedidos, de sonhos perdidos ou do confronto com uma verdade que não queríamos enxergar. É chegar num beco sem saída e ter que repensar num modo menos doloroso e traumático de retornar e recomeçar, mesmo que essa ideia nos cause desconforto e medo de passarmos novamente por tudo o que nos machucou. É como se já não acreditássemos mais em nós mesmos e nem na capacidade de superar os traumas passados.
Contudo, recomeços (e eu coloco no plural porque são muitas as vezes que precisamos recomeçar), apesar de não serem fáceis, são novas oportunidades que nos damos para fazer tudo diferente! Explorar novos caminhos, ousar, inventar ou apenas reinventar-se. É entrar numa loja e comprar aquela roupa que não tínhamos coragem de usar por achar que ela não cairia tão bem e que nos faria parecer gordos demais ou ridículos! O processo de reconstrução nos obriga a testar possibilidades inimagináveis como recurso incondicional de mudança. Quem se importa em parecer ridículo quando tudo o que se viveu, até então, te fez sentir-se assim?

Coragem! Coragem é a nova roupa que precisamos vestir para enfrentar esse recomeço. E se houver um grande espelho, que ele (ao menos ele) reflita a nossa imagem, com verdade e gentileza, de um modo que nos faça parecer belos com toda a nossa fragilidade e cansaço. Coragem para olhar-se e ver-se incrível da forma que realmente somos! Por mais que as experiências passadas tenham nos tirado a fé, um novo olhar poderá devolver-nos a autoconfiança e, também, a autoestima. E não se trata do olhar de ninguém, porque chega uma hora que cansamos dos olhares curiosos e maldosos dos outros. O que realmente importa é o modo como nos enxergamos, porque ninguém melhor do que nós é capaz de saber o quanto as nossas quedas significaram. As pessoas podem até nos julgar, porque essa é a prerrogativa da ignorância, porém, não poderão jamais determinar quem somos ou o modo como devemos prosseguir...
E daqui por diante, tudo o que importa é prosseguir! Seguir em frente, livre e tendo em mente que ninguém pode nos fazer bem ou mal sem o nosso consentimento.
O processo de reconstrução é moroso e, em muitos casos, parece levar uma eternidade... Não desista, persista! Olhe-se todos os dias no espelho e diga: “ninguém é capaz de me fazer feliz, senão eu! Não entrego a minha felicidade nas mãos de ninguém, porque eu sou responsável pela minha vida!”. E sorria, de preferência não apenas com os lábios! O sorriso tem um poder inimaginável de cura interior. Sorria com a mente e coração para que novas portas sejam abertas e mostrem que suas promessas (aquelas que nos fazemos constantemente) podem ser concretizadas.
E se, em algum momento, alguém questionar essa nova pessoa que você se tornou, não se intimide e continue em seu novo caminho. Desvie de tudo que te levou ao beco sem saída. Desta vez você sabe por onde pode e deve passar...
Busque a felicidade nas pequenas coisas, calmamente, sem pressa e nem expectativas de grandes resultados. Tenha consciência de que você se decepcionará novamente e que cairá inúmeras vezes, mas não tema em recomeçar quantas vezes forem preciso. Não se sinta fracassado por ter tentado e não ter obtido os resultados esperados. O processo das buscas nos faz andar em círculos e cometer certos erros, mas não deve nos tirar a vontade de viver e sonhar.
O que não deu certo ficou para trás, sozinho, naquele beco... E você não está mais nele!

Jackie Freitas

“Recria tua vida, sempre, sempre. Remove pedras e planta roseiras e faz doces. Recomeça!”
Cora Coralina



*Imagens retiradas do Google Imagens

2 comentários:

  1. Jackie, o próprio nome de teu blog diz fênix - (mulheres) vidas que renascem. Lendo o texto fico imaginando essa coisa de se olhar no espelho e ver esse processo de mudança acontecendo dia a dia. Nesse momento o que nos falta realmente é coragem, pois nos habituamos com o tempo até com o que é ruim. Mas se realmente mudarmos, nunca mais conseguiremos nos satisfazer com menos do que adquirimos. Que possamos aprender a nos tornarmos melhores.

    Um abração,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Luciano!
      Muito obrigada pela presença. Eu acredito que passamos por esse processo de mudança a cada segundo, porém não paramos para perceber o quanto elas podem nos ajudar ou prejudicar. Seria como caminhar sem observar o caminho. Portanto, olhar-se no espelho (no meu ponto de vista) é essencial para que possamos enxergar como estamos e quem nos tornamos. Os ajustes acontecem a partir disso. Mas é um longo papo que espero tratar numa próxima publicação.
      Um super abraço e obrigada, novamente, pelo carinho.
      Jackie Freitas

      Excluir

Deixe o seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Plágio é Crime! Proibida a Cópia do Conteúdo desse Blog!!!